Ser ou não ser favorável às práticas de diversidade? eis a questão



Artigo principal Conteúdo

Jamille Barbosa Cavalcanti Pereira
Darcy Mitiko Mori Hanashiro

Resumo

Práticas de diversidade vêm ganhando relevância crescente nas organizações brasileiras. No entanto, o campo teórico no Brasil não tem acompanhado esse desenvolvimento. A literatura corrente expressa a prevalência na identificação e discussão dessas práticas, baseando-se no princípio de que elas trazem resultados positivos às organizações. Contudo, essa concepção de natureza utilitarista omite subjetividades inerentes aos atores sociais, pertencentes aos grupos de identidade, considerados não dominantes no ambiente organizacional - os diversos - e aqueles que, tradicionalmente, constituem os dominantes. Esse ensaio visa discutir as atitudes desses dois grupos diante das práticas de diversidade, propondo um modelo teórico composto por quatro dimensões teóricas: atitudes de aceitação com base na justiça social, atitudes de aceitação com base na obtenção de ganhos, atitudes de rejeição com base na discriminação reversa e as atitudes de rejeição com base no receio ao estigma. Acredita-se que o entendimento dessas atitudes venha a contribuir para o avanço em direção a uma teoria de diversidade, além de trazer uma visão de que a prática eficaz de diversidade nas organizações implica compreender a visão dos diferentes stakeholders envolvidos por elas.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Pereira, J. B. C., & Hanashiro, D. M. M. (1). Ser ou não ser favorável às práticas de diversidade? eis a questão. Revista De Administração Contemporânea, 14(4), 670-683. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000400007
Seção
Artigos