Autoria e Contribuição dos autores

Instituições de destaque em todo o mundo, como a ANPAD e o ICMJE (Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas) recomendam que a autoria se baseie nos quatro critérios a seguir:

  1. Contribuições substanciais para a concepção ou desenho da obra; ou a aquisição, análise ou interpretação de dados para o trabalho;
  2. Elaborar o trabalho ou revisá-lo criticamente para conteúdo intelectual importante;
  3. Aprovação final da versão a ser publicada;
  4. Concorde em ser responsável por todos os aspectos do trabalho, garantindo que as questões relacionadas à precisão ou integridade de qualquer parte do trabalho sejam investigadas e resolvidas adequadamente.

Além de ser responsável pelas partes do trabalho que ele fez, o autor deve ser capaz de identificar quais coautores são responsáveis por outras partes específicas do trabalho. Além disso, os autores devem ter confiança na integridade das contribuições de seus coautores. Incluímos apenas um autor correspondente por artigo. Quaisquer detalhes adicionais sobre a contribuição (por exemplo, contribuição igual) devem ser incluídos nas seções de contribuidores ou de reconhecimento no final do artigo.

A RAC exige que todos os designados como autores cumpram todos os quatro critérios de autoria do ICMJE e que todos os que atendam aos quatro critérios sejam identificados como autores. Reconhecemos apenas pessoas naturais como autores. Esses critérios de autoria destinam-se a reservar o status de autoria para aqueles que merecem crédito e podem assumir a responsabilidade pelo trabalho. Os critérios não se destinam ao uso como um meio de desqualificar colegas da autoria que, de outra forma, atendem aos critérios de autoria, negando-lhes a oportunidade de atender ao critério nºs 2 ou 3 acima. Portanto, todos os indivíduos que atendem ao primeiro critério devem ter a oportunidade de participar da revisão, redação e aprovação final do manuscrito.

Os indivíduos que conduzem o trabalho são responsáveis por identificar quem atende a esses critérios e, idealmente, devem fazê-lo ao planejar o trabalho, fazendo as modificações apropriadas à medida que o trabalho avança. O autor correspondente assume a responsabilidade primária pela comunicação com a revista durante o processo de envio, revisão por pares e publicação do manuscrito e normalmente garante que todos os requisitos administrativos da revista, como fornecer detalhes de autoria, aprovação do comitê de ética, documentação do registro de ensaios clínicos e coletar formulários e declarações de conflito de interesses, são devidamente preenchidos, embora essas funções possam ser delegadas a um ou mais coautores. Na RAC, queremos que os autores garantam que todos os autores incluídos em um artigo cumprem os critérios de autoria. Além disso, queremos garantir que não há mais ninguém que atenda aos critérios, mas que não foi incluído como autor. Quando encontramos discordâncias entre autores, seguimos as orientações do Comitê de Ética em Publicações (COPE) - veja aqui e aqui.

O Manual de Boas Práticas em Publicação Científica da ANPAD complementa a política de critérios de autoria da RAC, em que:

  • O processo editorial deve ser compartilhado entre pesquisadores e professores pertencentes a várias instituições, a fim de evitar o Publisher do periódico, ou seja, produzido principalmente por pessoas vinculadas a uma instituição específica;
  • A cada ano, a fração de artigos originários de uma instituição específica (ou seja, com pelo menos um autor, professor ou aluno vinculado a ela) não deve exceder 15% do total de artigos publicados;
  • No mesmo ano, mais de um trabalho de autor não deve ser publicado, independentemente da posição do autor no texto.

Políticas de Conflito de Interesses

As submissões para a RAC são atribuídas aos editores em um esforço para minimizar possíveis conflitos de interesse. Os seguintes relacionamentos entre editores e autores são considerados conflitos e são evitados:

  • Colegas atuais, OU
  • Colegas recentes, OU
  • Coautores recentes, OU
  • Alunos de doutorado para os quais o editor atuou como presidente do comitê.

Após a atribuição dos trabalhos, é necessário que editores individuais informem o editor-gerente sobre quaisquer conflitos não incluídos na lista acima. No caso de nenhum dos editores satisfazer todas as etapas de conflito, os coeditores menos conflitantes serão designados ao manuscrito. Além disso, os coeditores menos conflituosos são designados para todos os envios de trabalhos pelos editores. As submissões da RAC também são atribuídas a avaliadores para minimizar conflitos de interesse. Após a atribuição dos trabalhos, os revisores são solicitados a informar o editor sobre quaisquer conflitos que possam existir.

O Manual de Boas Práticas da Publicação Científica adotado pela ANPAD impõe condições adicionais, às quais a RAC atribui o seu consentimento: Os artigos de autoria do Editor e Editores Associados não devem ser publicados, mesmo que essa autoria seja compartilhada com outros autores, e nem mesmo pelos líderes da mantenedora da revista, exceto em casos especiais. Nesse caso, essa especificidade deve ser citada e justificada no Editorial da edição, e também é necessário indicar explicitamente um editor especial para esse artigo específico, mantendo evidentemente o anonimato dos autores e avaliadores.

Procedimentos para Reclamações

Este procedimento se aplica a reclamações sobre políticas, procedimentos ou ações da equipe editorial da RAC. Estamos abertos às reclamações, pois elas oferecem uma oportunidade e um estímulo à melhoria, e nosso objetivo é responder de forma rápida, educada e construtiva. O procedimento descrito abaixo visa ser justo com as queixas e reclamações.

Definindo "reclamação"

Nossa definição de reclamação é a seguinte:

  • O reclamante define sua expressão de infelicidade como uma reclamação; e
  • Deduzimos que o reclamante não está simplesmente discordando de uma decisão que tomamos ou de algo que publicamos (o que acontece todos os dias), mas acha que houve uma falha no processo - por exemplo, um longo atraso ou uma resposta rude - ou um severo erro de julgamento.
  • A reclamação deve ser sobre algo que é de responsabilidade do departamento editorial da RAC (conteúdo ou processo).

Fazendo uma reclamação

A melhor maneira de nos contatar é por e-mail. As reclamações devem ser enviadas diretamente para rac.complaints@anpad.org.br, onde são tratadas de forma confidencial. Este endereço de e-mail é apenas para reclamações, conforme definido acima, problemas relacionados ao site. As reclamações na RAC são resolvidas através de um processo de resposta e encaminhamento:

  • Sempre que possível, as queixas serão tratadas pelo membro relevante da equipe editorial, passando para um editor de seção, se necessário.
  • No caso de essa resposta inicial ser insuficiente, o reclamante pode solicitar que a reclamação seja encaminhada ao Editor Chefe, cuja decisão é final.
  • Se um reclamante permanecer infeliz após o que o editor considera uma resposta definitiva, o reclamante poderá reclamar com um órgão externo (veja abaixo).

Prazos de reclamação

Todas as reclamações serão formalmente reconhecidas dentro de sete dias úteis.

  • Se possível, uma resposta completa será feita dentro de quatro semanas. Se isso não for possível, uma resposta provisória será dada dentro de quatro semanas. Respostas provisórias adicionais serão fornecidas até que a reclamação seja resolvida.
  • As reclamações que não estiverem sob o controle da equipe editorial do RAC serão enviadas ao conselho editorial do RAC.
  • Reclamações sobre assuntos editoriais são enviadas ao Editor Chefe.

É de responsabilidade do Editor da RAC manter e desenvolver o perfil e a reputação da RAC. O Editor também tem a responsabilidade final pelo conteúdo, garantindo que ele atenda aos Objetivos e Escopo da RAC e reflita as mudanças na área, apresentando uma pesquisa contemporânea em gerenciamento de negócios. Uma nova submissão é avaliada primeiro pelo Editor-Chefe (EIC). A avaliação começa com a leitura do Título e Resumo, que são, portanto, de importância crucial. O Resumo deve convencer que o documento se encaixa no escopo da RAC e tem uma contribuição inovadora no campo da gestão de negócios. Caso contrário, o artigo já poderá ser rejeitado antes mesmo de ser revisado sem uma revisão profunda. Existem critérios gerais e específicos para que os manuscritos sejam publicados na RAC e se tornem publicações de sucesso. O conjunto de critérios de Aceitação e Rejeição pode ajudar a maximizar a chance de ser aceito e minimizar a chance de ser rejeitado. Evidentemente, um artigo não precisa atender a todos os critérios, mas deve pelo menos atender a vários deles.

SUPERVISÃO ÉTICA

O Journal of Contemporary Administration (RAC) segue o Manual de Boas Práticas de Publicação Científica da ANPAD, bem como o Código de Ética da Academy of Management (AOM). Os autores são aconselhados a:

A prudência no desenho da pesquisa, no uso de seres humanos e na confidencialidade e comunicação de resultados é essencial. A atribuição adequada de trabalho é uma necessidade.

Consentimento informado: quando os autores realizam pesquisas, eles obtêm o consentimento informado do indivíduo ou indivíduos, usando linguagem razoavelmente compreensível para essa pessoa ou pessoas. O consentimento por escrito ou oral, a permissão e o consentimento são documentados adequadamente.

Conduta ética e elaboração de relatórios: É dever dos autores que realizam pesquisas projetar, implementar, analisar, relatar e apresentar rigorosamente suas descobertas.

Manipulação de dados confidenciais: Os autores têm a obrigação de garantir a proteção de informações confidenciais. Ao coletar informações confidenciais, eles devem levar em consideração o uso a longo prazo das informações, incluindo sua possível colocação em arquivos públicos ou o exame das informações por outras pessoas. Os autores devem tomar precauções razoáveis para proteger os direitos de confidencialidade de terceiros; As informações confidenciais são tratadas como tal, mesmo que não possuam proteção ou privilégio legal. Ao usar informações particulares, os autores protegem a confidencialidade das informações individualmente identificáveis. As informações são privadas quando um indivíduo pode razoavelmente esperar que as informações não sejam tornadas públicas com identificadores pessoais.