Building a State Capacity Index for Municipal Governments of Minas Gerais



Main Article Content

Gustavo Bastos Braga
Douglas Gomes Martins

Abstract

Objective: state capacity constitutes the set of essential competences that government institutions have (or should have) in order to achieve public objectives. However, the multidimensional nature of the ‘state capacity’ construct implies a major research challenge for the scientific academy and a major management challenge for public managers. Theoretical framework: the creation of State Capacity Index (SCI) follows the same procedures as the Human Development Index (HDI). Method: the search for variables (proxies) that are pertinent to the Brazilian context and that empirically allow the measurement and operationalization of state capacity was carried out through extensive bibliographic research. Therefore, SCI allowed the general examination of the ‘state capacity’ construct. Results: the results are disparities in the municipal administrative structures of Minas Gerais. Conclusion: it is suggested the need for incentives and investments in the dimensions that cover the State Capacity Index, namely: administrative, political, and fiscal.



Downloads

Download data is not yet available.


Article Details

How to Cite
Braga, G. B., & Martins, D. G. (2022). Building a State Capacity Index for Municipal Governments of Minas Gerais. Journal of Contemporary Administration, e210135. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2022210135.en
Section
Theoretical-empirical Articles

References

Addison, H. (2010). Is administrative capacity a useful concept? Review of the application, meaning and observation of administrative capacity in political science literature. London School of Economics. https://personal.lse.ac.uk/addisonh/Papers/AC_Concept.pdf
Alves., J. T. R., Vidal, J. P., Salomão, M. da S., Pereira, J. A. P. Neto, & Fernandes, F. A. (2011). Continuidade e mudança no fortalecimento institucional no estado do Pará. In J. F. A. Veloso (Ed.), Gestão municipal no Brasil: Um retrato das prefeituras (pp. 269–305). IPEA. https://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_gestaomunicipal.pdf
Arretche, M. O. (1996). Mitos da descentralização: Mais democracia e eficiência das políticas públicas? Revista Brasileira de Ciências Sociais, (32), 1–27. http://www.anpocs.com/images/stories/RBCS/rbcs31_03.pdf
Arretche, M. O. (2010). Federalismo e igualdade territorial: Uma contradição em termos? Dados - Revista de Ciências Sociais, 53(3). https://doi.org/10.1590/S0011-52582010000300003
Barbosa, F. R. G. M. (2017). Índice de Desenvolvimento Relativo, IDH-M e IFDM: Em busca da operacionalização das liberdades instrumentais de Amartya Sen. Ensaios FEE, 38(2), 295–328. Retrieved from https://revistas.dee.spgg.rs.gov.br/index.php/ensaios/article/view/3631
Bilbao-Ubillos, J. (2012). Another approach to measuring human development: The composite dynamic human development index. Social Indicators Research, 111(2), 473–784. https://doi.org/10.1007/s11205-012-0015-y
Bonat, W. H., Paiva, M. F., & Sliwiany, R. M. (2009). Análise espacial intra-urbana da qualidade de vida em Curitiba. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, 1(2). https://doi.org/10.3895/S2175-08582009000200004
Braga, G. B. (2015). Por uma caracterização dos territórios segundo o modo de vida rural e/ou urbano. Universidade Federal de Viçosa.
Brassiolo, P., & Sanguinetti, P. (2016). What do we understand by state capacity. In A more effective State: Capacities for designing, implementing and evaluating public policies. Bogotá: CAF - Development Bank of Latin America, p. 17–50.
Buvinich, D. P. R. (2014). O mapeamento da institucionalização dos conselhos gestores de políticas públicas nos municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 48(1), 55–82. https://doi.org/10.1590/S0034-76122014000100003
Cavalcante, P. (2011). Descentralização de políticas públicas sob a ótica neoinstitucional: Uma revisão de literatura. Revista de Administração Pública, 45(6), 1781–1804. https://doi.org/10.1590/S0034-76122011000600008
Cingolani, L. (2013). The state of state capacity: A review of concepts, evidence & measures. UNU‐MERIT Working Paper Series, (31). https://www.merit.unu.edu/publications/wppdf/2013/wp2013-053.pdf
Corralo, G. da S. (2012). O poder municipal na elaboração e execução de politica públicas. Revista do Direito UNISC, 1(37), 116–30. https://doi.org/10.17058/rdunisc.v0i0.2795
Costa, C. C. M., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J. & Abrantes, L. A. (2015). Fatores associados à eficiência na alocação de recursos públicos à luz do modelo de regressão quantílica. Revista de Administração Pública, 49(5), 1319–47. https://doi.org/10.1590/0034-7612130868
Cruz, M. C. M. T. (2001). Consórcios intermunicipais: Uma alternativa de integração regional ascendente. FGV.
Decreto n. 6.944, de 21 de agosto de 2009. (2009). Diário Oficial da União, 24 ago. 2009. Seção 1. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6944.htm
Decreto n. 9.739, de 28 de Março de 2019. (2019). Diário Oficial da União. 1(61), p. 2. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/d9739.htm
Emmendoerfer, M. L., & Soares, É. B. S. (2014). Análise do desenvolvimento turístico e da denominação designada pelo governo para qualificar cidades como destinos indutores do turismo em Minas Gerais, Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento, 3(21/22), 139-151. https://doi.org/10.34624/rtd.v3i21/22.12011
Evans, P., Huber, E., & Stephens, J. (2014). The political foundations of state effectiveness. In M. Centeno, A. Kohli, & D. Yashar (Eds.), States in the Developing world. Cambridge University Press.
Fernandes, F. S. (2016). Capacidade institucional: Uma revisão de conceitos e programas federais de governo para o fortalecimento da administração pública. Cadernos EBAPE.BR, 14(3), 695–704. https://doi.org/10.1590/1679-395128311
Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro. (2018). IFDM: Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal. Firjan. https://rb.gy/ly9xtc
Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro. (2016). IFGS 2016 – Índice FIRJAN de Gestão Fiscal: Ano-Base 2015. Firjan. https://www.firjan.com.br/data/files/DE/F0/65/91/B34265107778C955F8A809C2/IFGF-2016-versao-completa.pdf
Franzese, C., & Abrúcio, F. L. (2013). Efeitos recíprocos entre federalismo e políticas públicas no Brasil: Os casos do sistema de saúde, de assistência social e de educação. In Federalismo e políticas públicas no Brasil (pp. 363-392). Fiocruz.
Gobetti, S. W., & Klering, L. R. (2007). Índice de responsabilidade fiscal e qualidade de gestão: Uma análise combinada baseada em indicadores de estados e municípios. EASF.
Gohn, M. da G. (2001). Conselhos gestores e participação sociopolítica. Cortez.
Gomes, S. (2010). The multi-faceted debate on decentralization and collective welfare. Brazilian Political Science Review, (Online), 5. http://socialsciences.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-38212010000100010
Gomide, A. Á., & Boschi, R. R. (2016). Capacidades estatais em países emergentes o Brasil em perspectiva comparada. IPEA.
Grin, E. & Abrucio, F. (2019). Las capacidades estatales de los municipios brasileños en un contexto... de descentralización de políticas. Revista del CLAD Reforma y Democracia, (70), 93-126. https://www.redalyc.org/journal/3575/357559200004/html/
Hair, J. F., Jr. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman.
Hanson, J. K., & Sigman, R. (2021). Leviathan’s latent dimensions: Measuring state capacity for comparative political research. The Journal of Politics, 83(4), 1495–1510. https://doi.org/10.1086/715066
Hartley, K., & Zhang, J. (2018). Measuring policy capacity through governance indices. In X. Wu, M. Howlett, & M. Ramesh (Eds.), Policy Capacity and Governance (pp. 67-97). Palgrave Macmillan. https://doi.org/10.1007/978-3-319-54675-9_4
Howlett, M. (2015). Policy analytical capacity: The supply and demand for policy analysis in government. Policy and Society, 34(3–4),173–182. https://doi.org/10.1016/j.polsoc.2015.09.002
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Banco de Dados Agregados. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Censo Demográfico 2010. Características Urbanísticas do Entorno dos Domicílios. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-demografico/demografico-2010/universo-caracteristicas-urbanisticas-do-entorno-dos-domicilios
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2015). Banco de Dados Agregados. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: 2001 a 2015. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnad
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Banco de Dados Agregados. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Indicadores de Desenvolvimento Sustentável - Edição 2017.https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ids/tabelas
Jannuzzi, P. de M. (2002). Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública 36(1 SE-), 51-72.
Jarrar, Y, & Giovanni, S. (2007). Measuring performance in the public sector: Challenges and Trends (Edited by Y. Jarrar). Measuring Business Excellence, 11(4), 4–8. https://doi.org/10.1108/13683040710837883
Lindvall, J. & Teorell, J. (2016). State capacity as power: A conceptual framework. Department of Political Science, Lund University. https://ces.fas.harvard.edu/uploads/files/Event-Papers/State-Capacity-as-Power-September-2016.pdf
Lopes, L. S., & Toyoshima, S. H. (2008). Eficiência técnica municipal na gestão dos gastos com saúde e educação em Minas Gerais: Seus impactos e determinantes. Anais Do Seminário Sobre a Economia Mineira–Economia, História, Demografia e Políticas Públicas. https://ideas.repec.org/h/cdp/diam08/079.html
Lubambo, C. W., & Coutinho, H. G. (2004). Conselhos gestores e o processo de descentralização. São Paulo em Perspectiva, 18(4), 62–72. https://doi.org/10.1590/S0102-88392004000400008
Magalhães, E A. de., Mattos, L. B. de, & Wakim, V. R. (2019). Gestão fiscal nos municípios brasileiros: Uma análise das diferenças regionais. Revista Econômica do Nordeste, 50(4), 9-29. https://www.bnb.gov.br/revista/index.php/ren/article/viewFile/915/785
Martins, D. G. (2021). O estado da arte da capacidade institucional: Uma revisão sistemática da literatura em Língua Portuguesa. Cadernos EBAPE.BR, 19(1),165–89. https://doi.org/10.1590/1679-395120190011
Mello, D. L. de. (2001). Governo e administração municipal: A experiência brasileira. Revista de Administração Pública, 35(2), 79-96. https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6372
Moore, M., & Sanjeev, K. (2004). On creating public value: What business might learn from government about strategic management. Corporate Social Responsibility Initiative Working Paper 3. https://scholar.harvard.edu/markmoore/publications/creating-public-value
Pires, R. R. C., & Gomide, A. A. (2016). Governança e capacidades estatais: Uma análise comparativa de programas federais. Revista de Sociologia e Política [online], 24(58), 121-143. https://doi.org/10.1590/1678-987316245806
Reis, P. R. da C., Silveira, D. de F. R., & Braga, M. J. (2013). Previdência social e desenvolvimento socioeconômico: Impactos nos municípios de pequeno porte de Minas Gerais. Revista de Administração Pública, 47(3), 623–646. https://doi.org/10.1590/S0034-76122013000300005
Rezende, F. (1999). Federalismo fiscal: Novo papel para estados e municípios - O município no século XXI - Cenários e perspectivas. Fundação Prefeito Faria Lima-CEPAM, Ed. Especial, São Paulo.
Rosas Huerta, A. (2008). Una ruta metodológica para evaluar la capacidad institucional. Política y Cultura, 119–34.
Sabioni, M., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J., & Almeida, F. M. de. (2016). Contextos (in)adequados para o engajamento cidadão no controle social. Revista de Administração Pública, 50(3), 477–500. https://doi.org/10.1590/0034-7612153518
Salvato, M. A., Rodrigo, J. R., Araújo, A. F. Júnior, & Pessoa, M. (2006). Disparidades regionais em Minas Gerais. 12º Seminário Sobre a Economia Mineira, (30), 1–20.
Silva, A. D. A. P. (2009). Eficiência na alocação de recursos públicos e qualidade de vida nos municípios de Minas [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Viçosa. https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/1935
Silva, A. L. N. da. (2015). Os Estados no SUAS: Uma análise da capacidade institucional dos governos estaduais na assistência social. Revista de Administração Pública, 49(5), 1167–1192. https://doi.org/10.1590/0034-7612139292
Soares, A. C. L. G., Gosson, A. M. P. M., Madeira, M. Â. L. H, & Teixeira, V. D. S. (1999). Índice de desenvolvimento municipal: Hierarquização dos municípios do Ceará no ano de 1997. Revista Paranaense de Desenvolvimento, (97), 71–89. https://ipardes.emnuvens.com.br/revistaparanaense/article/view/260/215
Spósito, M. E. B., Elias, D., Soares, B. R., Maia, D. S., & Gomes, E. T. A. (2007). O estudo das cidades médias brasileiras: Uma proposta metodológica. In Cidades médias: Espaços em transição (pp. 35-67). Expressão Popular.
United Nations (2002). Human Development Report 2002: Deepening Democracy in a Fragmented World. Oxford University Press.
World Bank (1991). World development report 1991: The challenge of development. The World Bank.
Wu, X., Ramesh, M., & Howlett, M. (2015). Policy capacity: A conceptual framework for understanding policy competences and capabilities. Policy and Society, 34(3–4), 165–71. https://doi.org/10.1016/j.polsoc.2015.09.001