Foi e Não se Sabe se Volta: O Sumiço Progressivo da Teoria Original



Artigo principal Conteúdo

José Henrique de Faria

Resumo

Objetivo: o objetivo desta pensata é questionar a produção acadêmica que se concentra ou nas descrições sobre a matéria pesquisada, com reflexões em que predomina a forma imediata do objeto, ou na utilização de modelos e concepções teóricas pré-existentes, que acabam por direcionar a investigação aos conteúdos pressupostos. Provocação: a lógica produtivista tem jogado a teoria para longe dos holofotes acadêmicos, dando mais valor ao objetivismo pragmático e às provas incontestáveis fornecidas pelo empirismo. A produção científica produtivista passa a se basear ou na determinação imediata da matéria na constituição do conhecimento, ou é resultado direto do pensamento pressuposto sobre a realidade: em ambos os casos, o conhecimento emergiria da ausência da permanente interação entre a matéria e a consciência, dialeticamente mediada pelo pensamento. Elaborar teoria original exige do Ato Epistemológico um investimento permanente e crítico sobre a realidade e as teorias disponíveis. Na ausência desse investimento, as análises descritivas e aquelas que reproduzem suposições teóricas antecipadas, como se a teoria existente fosse imediatamente uma condição de representação da matéria, cumprem um ritual formalístico e não revelam as multideterminações da matéria em sua constituição concreta. Conclusão: é urgente reafirmar o lugar da teoria como a forma objetivamente elaborada da representação da realidade, como exigência da condição científica para além da descrição, das menções fenomênicas, dos apontamentos, das narrativas, das formas, dos pressupostos e do misticismo ideológico. A teoria não é a garantia dogmática do conhecimento verdadeiro definitivo, mas da elaboração em profundidade, metodologicamente orientada, da condição ontoprática e epistêmica.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Faria, J. H. de. (2022). Foi e Não se Sabe se Volta: O Sumiço Progressivo da Teoria Original. Revista De Administração Contemporânea, e220065. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2022220065.en
Seção
Pensatas Provocativas

Referências

Adorno, T. W. (2001). Epistemología y ciencias sociales. Madrid: Cátedra.
Bachelard, G. (2006). A epistemologia. Lisboa: Edições 70.
Durkheim, E. (1978). As regras do método sociológico. São Paulo: Abril Cultural.
Engels, F. (1979). Anti-düring. Porto: Presença.
Faria, J. H. de. (2015). Epistemologia crítica do concreto e os momentos da pesquisa: Uma proposição para os estudos organizacionais. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 16(5), 15-40. https://doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n5p15-40
Faria, J. H. de. (in press). Introdução à epistemologia: As dimensões do ato epistemológico. Jundiaí: Paco Editorial.
Habermas, J. (2016). Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: UNESP.
Hegel, G. F. (2014). Fenomenologia do Espírito (9 ed.). Petrópolis: Vozes.
Hegel, G. W. F. (2016). Ciência da lógica: A doutrina do ser. Petrópolis: Vozes.
Hegel, G. W. F. (2017). Ciência da lógica: A doutrina da essência. Petrópolis: Vozes.
Hegel, G. W. F. (2018). Ciência da lógica: A doutrina do conceito. Petrópolis: Vozes.
Popper, K. (2012). A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix.
Popper, K. (1975). Conhecimento objetivo. São Paulo: EDUSP.