Integração Vertical em Montadoras Automotivas



Artigo principal Conteúdo

Cleiciele Albuquerque Augusto
José Paulo de Souza
Silvio Antonio Ferraz Cario

Resumo

O objetivo no presente artigo foi compreender a escolha da integração vertical em montadoras de veículos automotivos, considerando a presença de custos de transação, de mensuração e de recursos estratégicos. Para tanto, um estudo de casos múltiplos de natureza qualitativa e do tipo descritivo foi realizado a partir de entrevistas semiestruturadas com agentes de três montadoras automotivas e da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP). A proposição de complementaridade formulada considerou que a integração vertical é decorrente da presença de ativos específicos, influenciada pela dificuldade de mensuração desses ativos e de sua condição de recurso estratégico. Essa proposição foi ratificada, dado que se constatou que a integração vertical se dá para itens como design, estamparia, motor e câmbio, que, além de elevada especificidade, apresentam dificuldade de mensuração (partes internas do motor, do câmbio, e aspectos de design, por exemplo) e se constituem na identidade das montadoras, confirmando a sua condição estratégica. Conclui-se que a complementaridade entre essas concepções teórico-analíticas pode construir um referencial com maior poder de compreensão das escolhas envolvendo estruturas de governança.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Augusto, C. A., Souza, J. P. de, & Cario, S. A. F. (2018). Integração Vertical em Montadoras Automotivas. Revista De Administração Contemporânea, 22(5), 704-725. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2018170281
Seção
Artigos