Historicizando o Novo Consumerismo Global Sob uma Perspectiva de Mundos Emergentes



Artigo principal Conteúdo

Alexandre Faria
Marcus Wilcox Hemais

Resumo

O avanço da desigualdade, da injustiça e da discriminação, e a emergência de movimentos anticonsumerismo no contexto do capitalismo neoliberal global, informam a explosão de debates corporações-sociedade no campo de Organizações e Gestão (O&G) e a construção do novo consumerismo global (NCG). Esse quadro é marcado pela radicalização da negação da face racialista do capitalismo modernista por historicismos antiamericanismo na Europa e na América Latina, que também desestabilizam e reforçam a rearticulação do historicismo discriminatório em consumerismo pelo NCG. Usando uma perspectiva crítica transmoderna enunciada em país emergente da América Latina, indo além das dicotomizações americanismo versus antiamericanismo e consumerismo versus anticonsumerismo, este artigo re-historiciza o movimento consumerista dos EUA, para mostrar que passados negados pelo anti-antiamericanismo racialista desempoderam academia e sociedade por meio de dinâmicas de apropriação e contenção de alternativas e identidades não discriminatórias, mobilizadas por mundos emergentes. Análise mostra que historicizações transmodernas podem permitir que NCG e o campo de O&G recuperem identidades discriminadas, promovam conhecimento para e com a maioria, ao invés de minorias, e atenuem o avanço do autoritarismo populista mobilizado pela supremacia branca.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Faria, A., & Hemais, M. W. (1). Historicizando o Novo Consumerismo Global Sob uma Perspectiva de Mundos Emergentes. Revista De Administração Contemporânea, 22(4), 577-599. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2018170257
Seção
Artigos