Santo de Casa ou Sangue Novo? Caso de Sucessão da Tink



Artigo principal Conteúdo

Eleandra Maria Prigol Meneghini
Ana Paula Pereira dos Passos
Sidnei Vieira Marinho
Anete Alberton

Resumo

Este caso para ensino tem por objetivo promover uma reflexão sobre o processo de sucessão da Tink, uma indústria de tintas familiar, composta por sete núcleos familiares, localizada no município de Panambi, estado do Rio Grande do Sul. Em 2018, a empresa estava no mercado há duas décadas, e Pedro, o diretor-presidente desde 2009, informou aos sócios que deixaria a gestão em um período de dois anos. Os sócios gestores defendiam a sucessão interna e apostavam principalmente na manutenção da cultura da empresa. Já a parte dos sócios que não atuava na empresa defendia a sucessão externa, pois não identificava, na atual equipe, o perfil apto a ocupar a cadeira de Pedro. Assim, era necessário discutir sobre as possibilidades de sucessão, considerando o posicionamento divergente dos sócios. Para este caso, propõe-se que os alunos se coloquem no lugar de Pedro, a fim de propiciar-lhes um debate acerca das vantagens e desvantagens da sucessão interna e da sucessão externa para a Tink. Propõe-se que o caso seja utilizado em cursos de graduação e pós-graduação lato sensu na área de Gestão, em disciplinas de Estratégias Organizacionais e Gestão de Pessoas que enfoquem a sucessão em empresas familiares, as competências gerenciais e a manutenção da cultura.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Meneghini, E. M. P., Passos, A. P. P. dos, Marinho, S. V., & Alberton, A. (2020). Santo de Casa ou Sangue Novo? Caso de Sucessão da Tink. Revista De Administração Contemporânea, 25(3), e190090. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2021190090.en
Seção
Casos para Ensino

Referências

Adachi, P. P. (2006). Família S. A.: Gestão de empresa familiar e solução de conflitos. São Paulo: Atlas.
Anderson, R. C., & Reeb, D. M. (2003). Founding‐family ownership and firm performance: Evidence from the S&P 500. The Journal of Finance, 58(3), 1301-1328. https://doi.org/10.1111/1540-6261.00567
Bernhoeft, R. (1989). Empresa familiar: Sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida (1 ed.). São Paulo: Nobel.
Bornholdt, W. (2005). Governança na empresa familiar: Implementação e prática. Porto Alegre: Bookman.
Burkart, M., Panunzi, F., & Shleifer, A. (2003). Family firms. The Journal of Finance, 58(5), 2167-2201. https://doi.org/10.1111/1540-6261.00601
Cassol, A., Cintra, R. F., Ruas, R. L., & Bassani, D. (2016). Evidenciação das competências gerenciais e a influência na atuação estratégica das micro e pequenas empresas de Santa Catarina. Revista da Micro e Pequena Empresa, 10(3), 49-68. Retrieved from http://www.cc.faccamp.br/ojs-2.4.8-2/index.php/RMPE/article/view/850
Dyer, W. G., Jr. (1986). Cultural change in family firms: Anticipating and managing business and family transition. San Francisco: Jossey-Bass.
Egan, M. L., & Bendick, M. (2008). Combining multicultural management and diversity into one course on cultural competence. Academy of Management Learning & Education, 7(3), 387-393. https://doi.org/10.5465/amle.2008.34251675
Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2004). Estratégias empresariais e formação de competências: Um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira (3 ed.). São Paulo: Atlas.
Gonçalves, J. (2000). As empresas familiares no Brasil. Revista de Administração de Empresas, 40(1), 7-12. https://doi.org/10.1590/S0034-75902000000100012
Hall, A., & Nordqvist, M. (2008). Professional management in family businesses: Toward an extended understanding. Family Business Review, 21(1), 51-69. https://doi.org/10.1111/j.1741-6248.2007.00109.x
Lansberg, I., Perrow, E. L., & Rogolsky, S. (1988). Editors’ notes. Family Business Review, 1(1), 1-8. https://doi.org/10.1111/j.1741-6248.1988.00001.x
La Porta, R., Lopez-de-Silanes, F., & Shleifer, A. (1999). Corporate ownership around the world. The Journal of Finance, 54(2), 471-517. https://doi.org/10.1111/0022-1082.00115
Leone, N. (2005). Sucessão na empresa familiar: preparando as mudanças para garantir sobrevivência no mercado globalizado. São Paulo: Atlas.
Lodi, J. B. (1987). Sucessão e conflito na empresa familiar. São Paulo: Pioneira.
López, A. V., Ortiz, M. V. F., Quinteros, M. M. S., & Moreno, E. A. C. (2013). La profesionalización como factor de competitividad: Un análisis de las empresas familiares del sector industrial, en Tijuana, B.C., México. Revista Internacional Administración & Finanzas, 6(1), 23-38. Retrieved from https://www.theibfr.com/wpfb-file/riaf-v6n1-2013-2-pdf/
Moraes Filho, A. C. T. de, Barone, F. M., & Pinto, M. de O. (2011). A produção científica em empresas familiares: Um enfoque conceitual. Revista Brasileira de Administração Pública, 45(6), 1971-1991. Retrieved from http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7068
Muzzio, H. A. (2013). A consolidação da profissionalização da empresa familiar e o legado do fundador: Concepções teóricas e implicações práticas. Teoria e Prática em Administração, 3(2), 27-43. Retrieved from http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/tpa/article/view/14076
Oliveira, D. P. R. (2006). Empresa familiar: Como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. (2 ed.). São Paulo: Atlas.
Oliveira, A. A., & Papa, A. C. (2009). A influência da cultura organizacional no processo de profissionalização da gestão em uma empresa familiar. Revista de Administração da UFSM, 2(3), 385-398. Retrieved from https://periodicos.ufsm.br/reaufsm/article/view/1636/0
Pinho, F. F. de, Bergamaschi, L. S., & Melo, J. S. C. (2006, September). Relações de gênero: Uma categoria introduzida ao modelo tridimensional de desenvolvimento de empresa familiar. Proceedings of the Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brazil, 30. Retrieved from http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/10/enanpad2006-eora-1348.pdf
Schein, E. H. (1983). The role of the founder in creating organizational culture. Organizational Dynamics, 12(1), 13–28. https://doi.org/10.1016/0090-2616(83)90023-2
Villalonga, B., Amit, R., Trujillo, M.-A., & Guzmán, A. (2015). Governance of family firms. Annual Review of Financial Economics, 7, 635-654. https://doi.org/10.1146/annurev-financial-110613-034357
Villalonga, B., & Amit, R. (2006). How do family ownership, control and management affect firm value? Journal of Financial Economics, 80(2), 385-417. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2004.12.005
Villalonga, B., & Amit, R. (2020). Family ownership. Oxford Review of Economic Policy, 36(2), 241-257. https://doi.org/10.1093/oxrep/graa007