Hospital São Felipe: Desafio da Gestão da Capacidade em uma Emergência Hospitalar



Artigo principal Conteúdo

Claudia Affonso Silva Araujo
Kleber Fossatti Figueiredo

Resumo

Em julho de 2017, a diretoria do Hospital São Felipe, tradicional estabelecimento privado localizado em Minas Gerais, se reuniu para discutir os resultados da pesquisa de satisfação realizada no hospital, em que ficou clara a grande insatisfação dos clientes com o atendimento da emergência. No ano anterior, a emergência do hospital atendera, em média, a cerca de 6.300 pacientes/mês, divididos nas três especialidades: clínica médica, ortopedia e oftalmologia. Ao diretor da emergência foi dado um prazo de 20 dias para apresentar um plano de ação para resolver os problemas identificados em sua área, particularmente os relacionados à espera. A primeira atitude tomada pelo diretor da emergência foi coletar dados que viabilizassem analisar os tempos de espera ao longo do processo. De posse dos dados, ele acreditava que teria uma melhor compreensão do fluxo do processo e que seria capaz de propor soluções para o problema da espera na emergência. O caso foi escrito, com dados fictícios, com o objetivo pedagógico de trabalhar em sala de aula o conceito de gestão de capacidade em serviços e meios de lidar com a variabilidade do processo e da demanda, como é o caso de uma emergência hospitalar.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Araujo, C. A. S., & Figueiredo, K. F. (2020). Hospital São Felipe: Desafio da Gestão da Capacidade em uma Emergência Hospitalar. Revista De Administração Contemporânea, 25(2), e190326. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2021190326.en
Seção
Casos para Ensino

Referências

Bitran, G., & Mondschein, S. (1997). Managing the tug-of-war between supply and demand in the service industries. European Management Journal, 15(5), 523-536. https://doi.org/10.1016/S0263-2373(97)00032-7
Corrêa, H. L., & Corrêa, C. A. (2011). Administração da produção e operações: Manufatura e serviços – uma abordagem estratégica (2nd ed.). São Paulo: Atlas.
Davis, M., & Heineke, J. (2004). Operations management: Integrating manufacturing and services (5th ed.). Boston: McGraw-Hill.
Figueiredo, K., & Escobar, D. (2004). Gestão de capacidade em serviços. Relatório COPPEAD, (360).
Frei, F. X. (2006). Breaking the trade-off between efficiency and service. Harvard Business Review, 84(11), 92-101. Retrieved from https://hbr.org/2006/11/breaking-the-trade-off-between-efficiency-and-service
Haksever, C., Render, B., Russell, R.S., & Murdick, R. G. (2000). Service management and operations. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall.
Jones, P., & Peppiatt, E. (1996). Managing perceptions of waiting times in service queues. International Journal of Service Industry Management, 7(5), 47-61. https://doi.org/10.1108/09564239610149957
Maister, D. (1985). The psychology of waiting lines. In J. A. Czepiel, M. R. Solomon, C. F. Surprenant (Eds.), The service encounter: Managing employee/customer interaction in service businesses. Lexington, MA: Lexington Books.
Ng, I., Wirtz, J., & Lee, K. (1999). The strategic role of unused service capacity. International Journal of Service Industry Management, 10(2), 211-244. https://doi.org/10.1108/09564239910264352
Slack, N., Chambers, S., Johnston, R., & Betts, A. (2013). Gerenciamento de operações e de processos (2nd ed.). Porto Alegre: Bookman.
Taylor, S. (1994). Waiting for service: The relationship between delays and evaluations of service. Journal of Marketing, 58(2), 56-69. https://doi.org/10.1177%2F002224299405800205