Análise da estrutura de endividamento: um estudo comparativo entre empresas brasileiras e americanas



Artigo principal Conteúdo

Ariádine de Freitas Silva
Mauricio Ribeiro do Valle

Resumo

O trabalho analisou os endividamentos totais e de longo prazo de empresas brasileiras e americanas, de vários setores da economia, no período de 1999 a 2003. Além do estudo comparativo, testou-se, utilizando mínimos quadrados ordinários (regressões cross-sectional) algumas hipóteses acerca dos determinantes da estrutura de endividamento das empresas, partindo-se de estudos dos principais autores propostos pela literatura para empresas de diferentes países. Adicionalmente, uma análise comparativa entre os setores foi realizada, utilizando-se testes de diferença de médias. Os resultados mostraram que empresas brasileiras e americanas apresentaram, respectivamente, proporção maior e crescente de dívidas de curto e longo prazo no período. No longo prazo, verificou-se, ainda, a superioridade das americanas sobre as brasileiras. Mas, no que se refere ao endividamento total, as brasileiras mostraram-se superiores às americanas. Nas regressões, encontraram-se evidências de que maior proporção de ativos para garantia resultam em maiores níveis de dívida total e longo prazo. Também ficou evidenciado que empresas mais rentáveis e com altas taxas de despesa de depreciação tendem a apresentar menos dívidas, tanto de longo prazo como totais. Finalmente, verificou-se que empresas maiores tendem a ser mais endividadas no total.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, A. de F., & Valle, M. R. do. (1). Análise da estrutura de endividamento: um estudo comparativo entre empresas brasileiras e americanas. Revista De Administração Contemporânea, 12(1), 201-229. https://doi.org/10.1590/S1415-65552008000100010
Seção
Artigos