Opções de compra: o ajustamento ao mercado brasileiro de dois modelos de precificação



Artigo principal Conteúdo

Luiz Roque de Souza Vitiello Jr.

Resumo

O presente estudo verificou, para o período de julho de 1994 a junho de 1997, o ajustamento ao mercado brasileiro de dois modelos de precificação de opções de compra: o de Black e Scholes (1973), que reconhece que os retornos dos preços da ação-objeto seguem um processo de difusão log-normal e o proposto por Cox e Ross (1976), que admite um processo de difusão com elasticidade da variância constante. Com a utilização de diferenças percentuais relativas e do teste t, observou-se que ambos os modelos subprecificaram opções fora do preço e no preço, enquanto, para opções dentro do preço, somente as mais próximas do vencimento foram subprecificadas. Verificou-se que o modelo de Black e Scholes (1973) ajustou-se melhor às opções fora do preço no preço, enquanto o modelo da elasticidade da variância constante ajustou-se melhor às opções dentro do preço. Por fim, os resultados sugerem que, embora o modelo de Black e Scholes (1973) se ajuste ligeiramente melhor ao mercado brasileiro, de uma forma geral, não se pode afirmar que um modelo seja superior ao outro na precificação de opções de compra.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Vitiello Jr., L. R. de S. (1). Opções de compra: o ajustamento ao mercado brasileiro de dois modelos de precificação. Revista De Administração Contemporânea, 4(1), 27-45. https://doi.org/10.1590/S1415-65552000000100003
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Luiz Roque de Souza Vitiello Jr., Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor dos Cursos de Administração de Empresas e de Análise de Sistemas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Sua área de interesse em pesquisa é mercado de capitais.