Programas sociais corporativos e capital social: proposta de qualificação



Artigo principal Conteúdo

Janaina Macke
Rosinha Machado Carrion
Eliete Kunrath Dilly

Resumo

Existe um discurso difundido no imaginário social que aponta as empresas como os atores mais qualificados para resolver os problemas sociais, dada a competência que elas vêm demonstrando para enfrentar a concorrência em mercado globalizado e competitivo. No entanto, defende-se que, subjacente a essa visão, está uma visão reducionista da complexidade dos fatos sociais, ao considerar os problemas do campo social como passíveis de serem equacionados pela simples gestão eficiente e eficaz de recursos. O presente artigo foi embasado em pesquisa empírica realizada em sete empresas da região da Serra Gaúcha, agraciadas com o prêmio Responsabilidade Social oferecido pela Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. O método de trabalho utilizado foi o de estudos de casos múltiplos; como técnica de análise de dados, foi utilizada a análise de conteúdo. Dentre os resultados destacam-se: a fraca intensidade da relação entre empresa e beneficiados, o baixo grau de estruturação dos programas e uma sobreposição de programas atuando com o mesmo público. O artigo aponta os limites de programas sociais de empresas privadas, e propõe, a partir da teoria do capital social, uma proposta para qualificá-los, de modo a potenciar sua contribuição para a construção de uma sociedade mais equilibrada.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Macke, J., Carrion, R. M., & Dilly, E. K. (1). Programas sociais corporativos e capital social: proposta de qualificação. Revista De Administração Contemporânea, 14(5), 836-853. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000500005
Seção
Artigos