Diversificação e desempenho em empresas industriais brasileiras: um estudo empírico no período de 1997 a 2001



Artigo principal Conteúdo

Pablo Rogers
Wesley Mendes-da-Silva
Germano Mendes de Paula

Resumo

Diversos estudos, em diferentes países, têm buscado verificar a associação existente entre a diversificação de negócios e o desempenho corporativo. Essencialmente, três modelos têm sido testados para descrever essa associação: o modelo linear, o modelo curvilíneo ('U invertido') e o modelo intermediário. Esse trabalho tem por objetivo estudar esta possível relação a partir de evidências empíricas que dizem respeito às empresas industriais brasileiras. Usando dados de companhias de capital aberto no período 1997-2001, procedeu-se a uma análise de painel por meio dos métodos de Efeitos Fixos e Efeitos Aleatórios. Os dados não apresentaram aderência suficiente para aceitar a existência de um efeito positivo entre estratégias de diversificação e desempenho, seja linearmente seja exponencialmente. Assim, o modelo que apresentou melhor grau de ajuste aos dados foi o modelo curvilíneo por meio das formas funcionais quadrática e cúbica, o que sugere a existência de pontos em que os custos marginais da diversificação superam os benefícios marginais e vice-versa. Porém a relação mostrou-se indefinida, não sendo possível concluir se ocorre sob a forma de 'U' ou de 'U invertido'. Os principais resultados obtidos na pesquisa apóiam algumas evidências empíricas encontradas em outros países emergentes.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Rogers, P., Mendes-da-Silva, W., & Paula, G. M. de. (1). Diversificação e desempenho em empresas industriais brasileiras: um estudo empírico no período de 1997 a 2001. Revista De Administração Contemporânea, 12(2), 313-338. https://doi.org/10.1590/S1415-65552008000200003
Seção
Artigos