O impacto do desemprego sobre o bem-estar psicológico dos trabalhadores da cidade de Natal



Artigo principal Conteúdo

João Carlos Tenório Argolo
Maria Arlete Duarte Araújo

Resumo

Trata-se de estudo dos efeitos da situação de desemprego sobre o bem-estar psicológico, que se serve de referencial teórico eminentemente psicossocial, segundo modelo explicativo de Warr (1987). Em sua metodologia semi-experimental, para testar a relação entre o desemprego e a deterioração do bem-estar psicológico, foram comparadas as médias dos escores do Questionário de Saúde Geral, de Goldberg, versão 12 itens, entre empregados (N=184) e desempregados (N=458), exercendo-se o controle de variáveis sociodemográficas. Assim, obteve-se o resultado de que a deterioração do bem-estar psicológico, na amostra de empregados, foi menor que na dos desempregados, confirmando-se a hipótese de que a situação de desemprego causa deterioração do bem-estar psicológico. Também foi investigado o papel mediador das variáveis centralidade do trabalho, apoio social percebido e características sociodemográficas sobre o sofrimento psicológico dos desempregados. Provas estatísticas forneceram resultados significativos de associação, predição e F value para as variáveis participação no orçamento familiar, número de filhos, apoio social percebido, religião e freqüência à igreja. Não foram encontradas associações significativas para gênero, idade, grau de instrução, renda, centralidade do trabalho e tempo de desemprego.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Argolo, J. C. T., & Araújo, M. A. D. (1). O impacto do desemprego sobre o bem-estar psicológico dos trabalhadores da cidade de Natal. Revista De Administração Contemporânea, 8(4), 161-182. https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000400009
Seção
Artigos
Biografia do Autor

João Carlos Tenório Argolo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre em administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Psicólogo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Coordenador e consultor organizacional do Programa de Extensão de Psicologia Organizacional e do Trabalho da UFRN. Pesquisador colaborador do Grupo de Estudos em Saúde Mental e Trabalho, base de pesquisa vinculada ao Departamento de Psicologia da UFRN. Pró-Reitor de Recursos Humanos da UFRN.

Maria Arlete Duarte Araújo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutora em Administração pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Mestre em Administração pela Universidade Federal da Paraíba. Diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professora e Pesquisadora do Curso de Mestrado em Administração do Programa de Pós-Graduação em Administração. Suas áreas de interesse em pequisa são administração de recursos humanos, organização e relações do trabalho e políticas públicas.