Estrutura de controle das companhias brasileiras de capital aberto



Artigo principal Conteúdo

Ricardo Pereira Câmera Leal
André Luiz Carvalhal da Silva
Silvia Mourthé Valadares

Resumo

O presente trabalho analisa a estrutura de controle direta e indireta de empresas brasileiras no final de 1998. Nossos resultados revelam um elevado grau de concentração de capital votante no Brasil. Mesmo nos casos em que não há um acionista controlador, o maior acionista detém uma participação significativa dos direitos sobre voto e a companhia é, geralmente, controlada por seus três maiores acionistas. Concluímos também que a utilização de pirâmides como um mecanismo para manutenção de controle a um custo menor, isto é, com investimento menor no capital total, não é muito comum. Os acionistas controladores brasileiros investem em média muito mais do que o mínimo necessário para manter o controle nas suas companhias.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Leal, R. P. C., Silva, A. L. C. da, & Valadares, S. M. (1). Estrutura de controle das companhias brasileiras de capital aberto. Revista De Administração Contemporânea, 6(1), 7-18. https://doi.org/10.1590/S1415-65552002000100002
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ricardo Pereira Câmera Leal, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Diretor e Professor Adjunto do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Suas áreas de interesse em pesquisa são finanças corporativas, mercados financeiros emergentes.

André Luiz Carvalhal da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre e Doutorando em Finanças na Universidade Federal do Rio de Janeiro, com interesse em pesquisa na área de governança corporativa.

Silvia Mourthé Valadares, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutora em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Economista-Chefe do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, além de Analista de Investimentos do Opportunity Asset Management. Suas áreas de interesse em pesquisa são mercado por controle corporativo, estrutura de capital.