Cartografia como Método de Pesquisa para Estudos de Trabalho e Subjetividade



Artigo principal Conteúdo

Laura Alves Scherer
Carmem Ligia Iochins Grisci

Resumo

Objetivo: apresentar a cartografia como método relevante aos estudos relativos a trabalho e subjetividade na área de Administração. Proposta: fundamenta-se a cartografia com base no conceito de rizoma, de Deleuze e Guattari, seu alinhamento ao pós-estruturalismo, alguns estudos na Administração, bem como propõe-se o flâneur-cartógrafo como prática transversal à pesquisa. Para ilustrar o uso da cartografia, descreve-se o percurso cartográfico de uma pesquisa sobre processos de subjetivação que compõem o trabalho imaterial de migrantes e refugiados no Brasil. Conclusões: o rastreio, o toque, o pouso, o reconhecimento atento e, sobretudo, o percurso como flâneur-cartógrafo guiam a aproximação do território. Observação-participante de eventos-atividades e entrevista-encontro entre os diversos participantes são estratégias simultâneas para acompanhar a processualidade do território evidenciando a pesquisa-participação ou investigação-interação, o papel político do cartógrafo e o ethos de confiança necessário na cartografia. A análise dos dados produzidos em conjunto ocorre ao longo da pesquisa. Mantendo a vigilância às normas científicas, a cartografia se configura como método afetivo e político para acompanhar a relação entre trabalho e subjetividade em territórios existenciais de difícil acesso. Logo, também apresenta uma contribuição social com um quê de acolhimento da multiplicidade, alteridade e mobilidade.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Scherer, L. A., & Grisci, C. L. I. (2022). Cartografia como Método de Pesquisa para Estudos de Trabalho e Subjetividade. Revista De Administração Contemporânea, e210202. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2022210202.en
Seção
Artigos Metodológicos

Referências

Alvarez, J., & Passos, E. (2015). Pista 7 – cartografar é habitar um território existencial. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 131-149). Porto Alegre: Sulina.
Balestrin, V. G., & Strey, M. N. (2009). Corpos-trabalhadores: Cartografias do consumo e da subjetividade contemporânea. Gestão e Desenvolvimento, 6(1), 107-115. Retrieved from https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=514252214009
Barreto, R. O., Carrieri, A. P., & Romagnoli, R. C. (2020). O rizoma deleuze-guattariano nas pesquisas em estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 18(1), 47-60. https://doi.org/10.1590/1679-395174655x
Barros, L. M. R., & Barros, M. E. B. (2013). O problema da análise em pesquisa cartográfica. Fractal: Revista de Psicologia, 25(2), 373-390. https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200010
Barros, L. P., & Kastrup, V. (2015). Pista 3 - cartografar é acompanhar processos. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 52-75). Porto Alegre: Sulina.
Barros, R. B., & Passos, E. (2015). Diário de bordo de uma viagem-intervenção. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 172-200). Porto Alegre: Sulina.
Cavalcanti, M. F. R. (2016). Estudos organizacionais e filosofia: A contribuição de Deleuze. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 182-191. https://doi.org/10.1590/S0034-759020160205
Cintra, A. M. S., Mesquita, L. P., Matumoto, S., & Fortuna, C. M. (2017). Cartografia nas pesquisas científicas: Uma revisão integrativa. Fractal: Revista de Psicologia, 29(1), 45-53. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i1/1453
Costa, L. B. (2014). Cartografia: Uma outra forma de pesquisar. Revista Digital do LAV, 7(2), 66-77. https://doi.org/10.5902/1983734815111
Costa, L. A., Angeli, A. A. C, & Fonseca, T. M. G. (2015). Cartografar. In T. M. G. Fonseca, M. L. Nascimento, & C. Maraschin (Orgs.), Pesquisar na diferença: Um abedecedário (pp. 43-46). Porto Alegre: Editora Sulina.
Deleuze, G., & Guattari, F. (2011). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia. (Vol. 1, 2 ed.). São Paulo: Editora 34.
Deleuze, G., & Parnet, C. (1998). Diálogos. São Paulo: Escuta.
DeLuca, G., Grisci, C. L. I., & Lazzarotto, G. D. R. (2018). Trabalhar e tatuar-se: Estratégia de inventar a vida. Psicologia & Sociedade, 30, e170175. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2018v30170175
Escóssia, L., & Tedesco, S. (2015). Pista 5 - o coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 92-108). Porto Alegre: Sulina.
Fonseca, T., & Kirst, P. (2003). Cartografias e devires: A construção do presente. Porto Alegre: Editora da UFRGS.
Gorz, A. (2005). O imaterial: Conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume.
Grisci, C. L. I. (2008). Trabalho imaterial, controle rizomático e subjetividade no novo paradigma tecnológico. RAE-Eletrônica, 7(1). https://doi.org/10.1590/S1676-56482008000100005
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). Perfil dos municípios brasileiros: 2018. Rio de Janeiro, RJ: IBGE. Retrieved from https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101668.pdf
Jacques, P. B. (2012). Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA.
Kastrup, V. (2015). Pista 2 - o funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 32-51). Porto Alegre: Sulina.
Kastrup, V., & Barros, R. B. (2015). Pista 4 - movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 76-91). Porto Alegre: Sulina.
Paes, K. D., & Borges, F. A. (2016). O sujeito lacaniano e a organização rizomática: Devires-máquinas-de-guerra. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 3(7), 670-720. https://doi.org/10.25113/farol.v3i7.2753
Passos, E., & Barros, R. B. (2015a). Pista 1 - a cartografia como método de pesquisa-intervenção. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 17-31). Porto Alegre: Sulina.
Passos, E., & Barros, R. B. (2015b). Pista 8 - por uma política da narratividade. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 150-171). Porto Alegre: Sulina.
Passos, E., & Eirado, A. (2015). Pista 6 - cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 109-130). Porto Alegre: Sulina.
Passos, E., Kastrup, V., & Escóssia, L. (2015). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.
Peters, M. (2000). Pós-estruturalismo e filosofia da diferença [uma introdução]. Belo Horizonte: Autêntica.
Pozzana, L. (2013). A formação do cartógrafo é o mundo: Corporificação e afetabilidade. Fractal: Revista de Psicologia, 25(2), 323-338. https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200007
Rolnik, S. (2006). Cartografia sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina.
Romero, M. L., & Zamora, M. H. (2016). Pesquisando cidade e subjetividade: Corpos e errâncias de um flâneur-cartógrafo. Psicologia em Estudo, 21(3), 451-461. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i3.29787
Sade, C., Ferraz, G. C., & Rocha, J. M. (2013). O ethos da confiança na pesquisa cartográfica: Experiência compartilhada e aumento da potência de agir. Fractal: Revista de Psicologia, 25(2), 281-298. https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200005
Tedesco, S. H., Sade, C., & Caliman, L. V. (2013). A entrevista na pesquisa cartográfica: A experiência do dizer. Fractal: Revista de Psicologia, 25(2), 299-322. https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000200006
Weber, L., Grisci, C. L. I., & Paulon, S. M. (2012). Cartografia: Aproximação metodológica para produção do conhecimento em gestão de pessoas. Cadernos EBAPE.BR, 10(4), 841-857. https://doi.org/10.1590/S1679-39512012000400005
Williams, J. (2017). Pós-estruturalismo (2 ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.
Zioli, E. G. O., Ichikawa, E. Y., & Mendes, L. (2021). Contribuições de Deleuze e Guattari para uma perspectiva rizomática das organizações. Cadernos EBAPE.BR, 19(3), 552-563. https://doi.org/10.1590/1679-395120200113