Socialização Profissional sob a Ótica de Cirurgiãs: Desafios e Realização na Carreira Profissional



Artigo principal Conteúdo

Isabelle Christine Oliveira dos Santos
Tereza Cristina Batista de Lima
Luis Eduardo Brandão Paiva
Davi Sampaio Marques
Elidihara Trigueiro Guimarães

Resumo

Objetivo: com o intuito de contribuir para o campo de investigação do conhecimento da relação entre o trabalho e o gênero, o estudo põe em foco a profissão de médico cirurgião, que conta com baixa participação feminina. Assim, o objetivo do estudo é compreender como ocorre a socialização profissional de médicas cirurgiãs, com ênfase no gênero e nas relações de trabalho. Métodos: é uma pesquisa de natureza qualitativa, de caráter descritivo, com entrevistas em profundidade realizadas com 10 médicas cirurgiãs, examinando suas percepções em torno das categorias de análise pertencentes ao modelo teórico da socialização profissional: passagem através do espelho, instalação da dualidade e ajuste da concepção de si. Resultados: o interesse maior das entrevistadas pela área cirúrgica partiu de características de personalidade que se julgavam importantes a um cirurgião, além do desejo de resolver o problema do paciente de forma mais prática e objetiva. Conclusões: verificou-se que existem conflitos entre a cultura leiga e a profissional e que a inserção profissional foi marcada por desafios, como preconceitos e dificuldades na conciliação da vida pessoal e profissional. A pesquisa ampliou a compreensão de como as cirurgiãs estão inseridas no mercado de trabalho, área predominantemente masculina e caracterizada por muitos estereótipos.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, I. C. O. dos, Lima, T. C. B. de, Paiva, L. E. B., Marques, D. S., & Guimarães, E. T. (2021). Socialização Profissional sob a Ótica de Cirurgiãs: Desafios e Realização na Carreira Profissional. Revista De Administração Contemporânea, 25(4), e180303. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2021180303.en
Seção
Artigos

Referências

Andreassi, T., & Tonelli, M. J. (2018). Women Entrepreneurs in São Paulo, Brazil. In Entrepreneurial Learning City Regions (pp. 121-136). Chan: Springer.
Alves, M. A., & Galeão-Silva, L. G. (2004). A crítica da gestão da diversidade nas organizações. RAE-Revista de Administração de Empresas, 44(3), 20-29. https://doi.org/10.1590/S0034-75902004000300003
Ashikali, T., & Groeneveld, S. (2015). Diversity management for all? An empirical analysis of diversity management outcomes across groups. Personnel Review, 44(5), 757-780. https://doi.org/10.5465/AMBPP.2014.15878abstract
Atkinson, R., & Flint, J. (2001). Accessing hidden and hard-to-reach populations: Snowball research strategies. Social Research Update, 33(1), 1-4. Retrieved from
http://sru.soc.surrey.ac.uk/SRU33.html
Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (4th ed). Lisboa: Edições 70.
Bedi, P., Lakra, P., & Gupta, E. (2014). Workforce diversity management: Biggest challenge or opportunity for 21st century organizations. Journal of Business and Management, 16(4), 102-107. https://doi.org/10.9790/487X-1643102107
Bellodi, P. L. (2004). The general practitioner and the surgeon: Stereotypes and medical specialties. Revista do Hospital das Clínicas, 59(1), 15-24. https://doi.org/10.1590/S0041-87812004000100004
Boulart, I. B., & Lanza, M. B. F (2007). Identidade das pessoas e das organizações. Management in Dialogue Review, 9(1), 1-18. https://doi.org/10.20946/rad.v9i1.1509
Broadhead, R. S. (2017). The private lives and professional identity of medical students. London: Routledge.
Carvalho, V. D., Borges, L. O., Vikan, A., & Hjemdal, O. (2011). Resiliência e socialização organizacional entre servidores públicos brasileiros e noruegueses. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 15(5), 815-833. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000500003
Cech, E. A. (2013). The self-expressive edge of occupational sex segregation. American Journal of Sociology, 119(3), 747-789. https://doi.org/10.1086/673969
Chies, P. V. (2010). Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, 18(2), 507-528. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2010000200013
Cho, S., Kim, A., & Mor Barak, M. E. (2017). Does diversity matter? Exploring workforce diversity, diversity management, and organizational performance in social enterprises. Asian Social Work and Policy Review, 11(3), 193-204. http://doi.org/10.1111/aswp.12125
Cochran, A., Hauschild, T., Elder, W. B., Neumayer, L. A., Brasel, K. J., & Crandall, M. L. (2013). Perceived gender-based barriers to careers in academic surgery. The American Journal of Surgery, 206(2), 263-268. https://doi.org/10.1016/j.amjsurg.2012.07.044
Creswell, J. W. (2007) Projetos de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.
Cruess, R. L., Cruess, S. R., Boudreau, J. D., Snell, L., & Steinert, Y. (2015). A schematic representation of the professional identity formation and socialization of medical students and residents: A guide for medical educators. Academic Medicine, 90(6), 718-725. https://doi.org/10.1097/ACM.0000000000000700
Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (2017). A inserção da mulher no mercado de trabalho da região metropolitana de Fortaleza. Pesquisa de Emprego e Desemprego. Retrieved from https://www.dieese.org.br/analiseped/2016/2016pedmulherfor.html
Dubar, C. (2005). A socialização: Construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes.
Dubar, C. (2012). A construção de si pela atividade de trabalho: A socialização profissional. Cadernos de pesquisa, 42(146), 351-367. https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000200003
Edmunds, L. D., Ovseiko, P. V., Shepperd, S., Greenhalgh, T., Frith, P., Roberts, N. W., Pololi, L. H., Buchan, A. M. (2016). Why do women choose or reject careers in academic medicine? A narrative review of empirical evidence. The Lancet, 388(10062), 2948-2958. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)01091-0
Fine, C., Sojo, V., & Lawford‐Smith, H. (2020). Why does workplace gender diversity matter? Justice, organizational benefits, and policy. Social Issues and Policy Review, 14(1), 36-72. https://doi.org/10.1111/sipr.12064
Fitzsimmons, S. R. (2012). Women on boards of directors: Why skirts in seats aren’t enough. Business Horizons, 55(6), 557-566. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2012.07.003
Franco, T., & Santos, E. G. D. (2010). Mulheres e cirurgiãs. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 37(1), 72-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912010000100015
Gazaway, S., Gibson, R. W., Schumacher, A., & Anderson, L. (2019). Impact of mentoring relationships on nursing professional socialization. Journal of Nursing Management, 27(6), 1182-1189. https://doi.org/10.1111/jonm.12790
Hill, E., & Vaughan, S. (2013). The only girl in the room: How paradigmatic trajectories deter female students from surgical careers. Medical Education, 47(6), 547-556. https://doi.org/10.1111/medu.12134
Hughes, E. C. (1958). Men and their work. Florence, MA: Free Press.
Lempp, H., & Seale, C. (2006). Medical students’ perceptions in relation to ethnicity and gender: a qualitative study. BMC Medical Education, 6(17), 1-7. https://doi.org/10.1186/1472-6920-6-17
Leslie, L. M., Manchester, C. F., & Dahm, P. C. (2017). Why and when does the gender gap reverse? Diversity goals and the pay premium for high potential women. Academy of Management Journal, 60(2), 402-432. https://doi.org/10.5465/amj.2015.0195
Mason, M. A., & Ekman, E. M. (2007). Mothers on the fast track: How a new generation can balance family and careers. Oxford: Oxford University Press.
McKimm, J., Silva, A. S., Edwards, S., Greenhill, J., & Taylor, C. (2015). Women and leadership in medicine and medical education: International perspectives. In M. Tsouroufli (Ed.), Gender, careers and inequalities in medicine and medical education: International perspectives (pp. 69-98). Melbourne: Emerald Group.
Miller, K., & Clark, D. (2008). “Knife before wife”: An exploratory study of gender and the UK medical profession. Journal of Health Organization and Management, 22(3), 238-253. https://doi.org/10.1108/14777260810883521
Minella, L. S. (2017). Medicina e feminização em universidades brasileiras: O gênero nas interseções. Revista Estudos Feministas, 25(3), 1111-1128. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n3p1111
Oliveira, L. B., Cavazotte, F. S. C. N. de, & Paciello, R. R. (2013). Antecedentes e consequências dos conflitos entre trabalho e família. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 17(4), 418-437. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n3p1111
Pereira, J. B. C., & Hanashiro, D. M. M. (2010). Ser ou não ser favorável às práticas de diversidade? Eis a questão. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 670-683. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000400007
Póvoa, A. C. S., Maffezzolli, M. R., Pech, W., & Silva, W. V. (2017). A influência do gênero no processo decisório: O jogo do ultimato. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 21(4), 481-499. http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2017160152
Saraiva, L. A. S., & Irigaray, H. A. R. (2009). Políticas de diversidade nas organizações: Uma questão de discurso? RAE-Revista de Administração de Empresas, 49(3), 337-348. https://doi.org/10.1590/S0034-75902009000300008
Santos, C. (2005). A construção social do conceito de identidade profissional. Interações: Sociedade e as novas modernidades, 5(8), 123-144. Retrieved from https://www.interacoes-ismt.com/index.php/revista/article/view/145
Scheffer, M., Biancarelli, A., & Cassenote, A. (2011). Demografia médica no Brasil: Dados gerais e descrições de desigualdades: Relatório de pesquisa. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina.
Scheffer, M. C., & Cassenote, A. J. F. (2013). The feminization of Medicine in Brazil. Revista Bioética, 21(2), 268-277. https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000200010
Scheffer, M., Biancarelli, A., & Cassenote, A. (2015). Demografia médica no Brasil 2015. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina.
Scheffer, M., Biancarelli, A., & Cassenote, A. (2018). Demografia médica no Brasil 2018. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina.
Schroen, A. T., Brownstein, M. R., & Sheldon, G. F. (2004). Women in academic general surgery. Academic Medicine, 79(4), 310-318. https://doi.org/10.1097/00001888-200404000-00006
Seemann, N. M., Webster, F., Holden, H. A., Carol-Anne, E. M., Baxter, N., Desjardins, C., & Cil, T. (2016). Women in academic surgery: Why is the playing field still not level? The American Journal of Surgery, 211(2), 343-349. https://doi.org/10.1016/j.amjsurg.2015.08.036
Shinyashiki, G. T., Mendes, I. A. C., Trevizan, M. A., & Day, R. A. (2006). Professional socialization: Students becoming nurses. Revista latino-americana de enfermagem, 14(4), 601-607. https://doi.org/10.1590/s0104-11692006000400019
Spudeit, D., & Cunha, M. V. (2016). O processo de socialização na construção da identidade dos bibliotecários em Santa Catarina. Em Questão, 22(3), 56-83. https://doi.org/10.19132/1808-5245223.56-83
Vale, G. M. V., Serafim, A. C. F., & Teodósio, A. D. S. S. (2011). Gênero, imersão e empreendedorismo: Sexo frágil, laços fortes? RAC-Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 631-649. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000400005
Zarshenas, L., Sharif, F., Molazem, Z., Khayyer, M., Zare, N., & Ebadi, A. (2014). Professional socialization in nursing: A qualitative content analysis. Iranian journal of nursing and midwifery research, 19(4), 432-438. Retrieved from https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25183987/
Zauli, A. (2015). Reflexões sobre diversidade e gênero. Brasília: Edições Câmara.