Mitos no Desengajamento Moral: Retóricas da Samarco em um Crime Corporativo



Artigo principal Conteúdo

Cintia Rodrigues de Oliveira Medeiros
Rafael Alcadipani da Silveira
Luciano Batista de Oliveira

Resumo

Nesta pesquisa, conduzimos uma análise retórica com o objetivo de explorar os mecanismos de desengajamento moral utilizados pela Samarco no caso do crime ocorrido com a quebra de uma barragem sob sua administração, em novembro de 2015, em Minas Gerais. O corpus de pesquisa submetido à análise retórica constitui-se de publicações contendo declarações da empresa e de seus representantes sobre o caso em questão. Como resultados, mostramos que a Samarco utiliza-se de três mitos na sua retórica: (a) Nós estamos fazendo o que deve ser feito; (b) Nós não colocamos a sociedade e o meio ambiente em risco; e (c) A culpa não é nossa. Esses três mitos são recursos representativos do desengajamento moral (Bandura, 1999) da empresa para cometer um crime corporativo. Nossa análise identificou três mecanismos: deslocamento de culpa; minimização e distorção das consequências; e rotulagem eufemística.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Medeiros, C. R. de O., Silveira, R. A. da, & Oliveira, L. B. de. (1). Mitos no Desengajamento Moral: Retóricas da Samarco em um Crime Corporativo. Revista De Administração Contemporânea, 22(1), 70-91. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2018160310
Seção
Artigos