A negociação da participação nos lucros e resultados: estudo em quatro setores dinâmicos da economia brasileira



Artigo principal Conteúdo

Antonio Carvalho Neto

Resumo

A negociação da participação nos lucros e resultados, ao vincular remuneração variável a metas de lucratividade, qualidade e produtividade, passa a ser importante quando as inovações organizacionais exigem cada vez mais participação na gestão e comprometimento dos trabalhadores com os objetivos empresariais. Esse artigo é fruto da tese de doutorado do autor, resultado de vasta pesquisa realizada em São Paulo e Minas Gerais, de 1995 a 1999, onde foram tabuladas e analisadas 1.583 cláusulas de 75 acordos e convenções coletivas, abrangendo quatro dinâmicos setores econômicos brasileiros: automotor, químico, bancário e de telecomunicações. Os resultados encontrados apontam a necessidade de que a participação nos lucros e resultados seja efetivamente negociada com sindicatos que realmente tenham poder de barganha, para que se transforme no formidável instrumento de gestão que pode vir a ser, com forte probabilidade de obter maior comprometimento organizacional por parte do trabalhador. Nosso estudo mostra que isto ocorreu no setor metalúrgico, em especial no ABC e, em segundo plano, no setor químico pesquisado. Por outro lado, nos setores de serviços pesquisados, a negociação não ocorreu, e os programas de participação nos lucros e resultados não se efetivaram na prática.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Carvalho Neto, A. (1). A negociação da participação nos lucros e resultados: estudo em quatro setores dinâmicos da economia brasileira. Revista De Administração Contemporânea, 5(1), 195-214. https://doi.org/10.1590/S1415-65552001000100011
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Antonio Carvalho Neto, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Diretor do Instituto de Relações do Trabalho, Professor dos Cursos de Mestrado em Ciências Sociais e do Departamento de Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Suas áreas de interesse em pesquisa são relações de trabalho, reestruturação produtiva, sindicalismo, evolução do mercado de trabalho, geração de emprego e renda, avaliação de políticas públicas, responsabilidade social das empresas.