Intercâmbio neocorporatista e inovação tecnológica: o caso do padrão eucalipto na Aracruz S. A.



Artigo principal Conteúdo

José Célio Silveira Andrade
Camila Carneiro Dias

Resumo

Diversos estudos interpretam o dinamismo econômico do complexo agroindustrial de celulose mediante diferentes perspectivas: o progresso tecnológico neoschumpeteriano; a atuação de políticas públicas planejadas; a influência de lobbies de representação de interesses privados etc. Entretanto resta um domínio pouco investigado pelos pesquisadores: aquele onde se desenvolvem as relações Estado-agentes econômicos como uma via expressa de mão dupla, na qual se tecem acordos importantes para a construção de um ambiente político-institucional propício à configuração de novos paradigmas econômico-tecnológicos nas empresas. Tomando como ilustração a análise da emergência e consolidação do padrão eucalipto na Aracruz Celulose S.A, entre 1965-1992, o trabalho argumenta que este processo de inovação tecnológica foi resultado histórico de interações das estratégias tecnológicas empresariais com o ambiente político-institucional, construído a partir de um duplo movimento de interação política das agências governamentais com a auto-organização de interesses privados. Para tal, os autores se utilizam de uma grade analítica construída a partir da articulação entre a abordagem neochumpeteriana de progresso tecnológico e a abordagem institucionalista de intercâmbio político neocorporatista.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Andrade, J. C. S., & Dias, C. C. (1). Intercâmbio neocorporatista e inovação tecnológica: o caso do padrão eucalipto na Aracruz S. A. Revista De Administração Contemporânea, 5(1), 83-103. https://doi.org/10.1590/S1415-65552001000100006
Seção
Artigos
Biografia do Autor

José Célio Silveira Andrade, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Engenharia Química e Doutorando em Administração na Universidade Federal da Bahia. Coordenador do Programa de Inovação Tecnológica da Superintendência de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Secretaria de Planejamento e Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia, além de Pesquisador do Núcleo de Política e Administração em Ciência e Tecnologia da Universidade Federal da Bahia. Suas áreas de interesse em pesquisa são administração estratégica, inovação tecnológica, institucionalismo, complexos agroindustriais e meio ambiente.

Camila Carneiro Dias, Universidade Federal da Bahia

Mestranda em Administração na Universidade Federal da Bahia. Professora Substituta da Escola de Administração, além de Pesquisadora do Núcleo de Política e Administração em Ciência e Tecnologia da Universidade Federal da Bahia. Suas áreas de interesse em pesquisa são administração estratégica, economia rural, economia das instituições.