Montagem de Agenda no Comitê Itajaí: Uma Aplicação do Modelo de Kingdon



Artigo principal Conteúdo

Marcello Beckert Zapelini

Resumo

Este artigo tem o objetivo de estudar a montagem de agenda na formulação do Plano de Bacia Hidrográfica no Comitê Itajaí. Em termos metodológicos, consiste numa pesquisa de estudo de caso qualitativo, documental e de campo, que utilizou, como métodos de coleta de dados, a pesquisa documental e a entrevista. Estudou-se o caso da decisão de cobrança pelo uso dos recursos hídricos, ao qual se aplicou o modelo de múltiplos fluxos Kingdon (2003) com o intuito de compreender a dinâmica da ação dos agentes envolvidos, em que a combinação do fluxo de problemas, do fluxo de políticas e do fluxo político levou à abertura de uma janela de política. Assim, os usuários de recursos hídricos, atuando como empreendedores de política, utilizaram a janela de política para modificar a fórmula de cobrança originalmente proposta pela diretoria do Comitê, assim, garantindo um instrumento mais adequado aos seus interesses.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Zapelini, M. B. (1). Montagem de Agenda no Comitê Itajaí: Uma Aplicação do Modelo de Kingdon. Revista De Administração Contemporânea, 18(6), 795-812. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141214
Seção
Artigos