Determinantes Nacionais e Setoriais da Estrutura de Capital na América Latina



Artigo principal Conteúdo

Henrique Castro Martins
Paulo Renato Soares Terra

Resumo

Este estudo identificou o papel do ambiente nacional (Macroeconomia, Desenvolvimento Financeiro e Qualidade Institucional) e das características dos setores de atividade (Munificência, Dinamismo, Concentração, Ciclo de Vida, Dispersão da Eficiência Tecnológica, Dispersão da Qualidade dos Produtos, Poder de Barganha dos Clientes e Poder de Barganha dos Fornecedores) sobre o endividamento de 612 companhias abertas de sete países da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Venezuela). Para fins de comparação, estende-se a análise, também, a 847 companhias dos Estados Unidos. O período estudado é o de 1996-2009 e, para a análise, utiliza-se o Modelo Linear Hierárquico, que permite controlar os efeitos de acordo com o nível das variáveis (país, setor, tempo e firma). Os resultados sugerem que o Desenvolvimento Financeiro facilita o acesso a recursos de terceiros e que a Qualidade Institucional é negativamente relacionada com a Alavancagem das empresas. Encontraram-se, também, evidências de que a Qualidade Institucional pode promover o desenvolvimento assimétrico entre o mercado acionário e o de crédito.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Martins, H. C., & Terra, P. R. S. (1). Determinantes Nacionais e Setoriais da Estrutura de Capital na América Latina. Revista De Administração Contemporânea, 18(5), 577-597. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141154
Seção
Artigos