Fatores do índice de prontidão à tecnologia (TRI) como elementos diferenciadores entre usuários e não usuários de internet banking e como antecedentes do modelo de aceitação de tecnologia (TAM)



Artigo principal Conteúdo

Péricles José Pires
Bento Alves da Costa Filho

Resumo

Este trabalho tem como escopo o estudo de modelos desenvolvidos para avaliar aspectos críticos referentes à utilização e ao convívio de consumidores e usuários com produtos e serviços de base tecnológica. Como referencial teórico, utilizou-se o Modelo para Aceitação de Tecnologia [TAM], e o Índice de Prontidão para o Uso de Tecnologia [TRI]. Foi realizada uma pesquisa de campo junto a usuários de Internet, sendo parte deles usuários de Internet banking, com o propósito de (1) avaliar as diferenças entre os grupos, em termos de predisposição à tecnologia, por meio do modelo TRI, e (2) testar se os fatores formadores deste modelo poderiam ser antecedentes do principal construto do Modelo de Aceitação de Tecnologia [TAM]. As análises mostraram que, para o propósito (1), três das quatro dimensões, - otimismo, insegurança e desconforto, - apresentaram diferenças significativas entre os grupos; e para o propósito (2), o fator otimismo, uma visão positiva da tecnologia, se revelou antecedente significativo da intenção de uso do serviço bancário online.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Pires, P. J., & Costa Filho, B. A. da. (1). Fatores do índice de prontidão à tecnologia (TRI) como elementos diferenciadores entre usuários e não usuários de internet banking e como antecedentes do modelo de aceitação de tecnologia (TAM). Revista De Administração Contemporânea, 12(2), 429-456. https://doi.org/10.1590/S1415-65552008000200007
Seção
Artigos