A construção do "Real" e práticas discursivas: o poder nos processos de institucionaliz(ação)



Artigo principal Conteúdo

Alketa Peci
Marcelo Milano Falcão Vieira
Stewart R. Clegg

Resumo

A partir de uma crítica das bases epistemológicas e ontológicas do neo-institucionalismo, este artigo defende a potencialidade da aplicação da perspectiva pós-estruturalista, particularmente aquela apresentada por Michel Foucault, à abordagem institucional. Essa proposta teórica - que incorpora uma dimensão negligenciada nas análises institucionais, especialmente, no campo das organizações (o poder) - apresenta a vantagem de contribuir para uma melhor compreensão das dinâmicas de institucionalização. Para isso é preciso operar a partir da superação da dicotomia objetividade/subjetividade, tão presente nos estudos institucionais. Por fim, são rediscutidos os processos de institucionalização, tomando por base o novo referencial e destacando-se por que determinadas práticas se institucionalizam. Ao propor que os processos institucionais ocorrem dentro de campos discursivos, o argumento apresentado é o de que tais processos servem à produtividade das relações de poder nesses campos. Práticas que são institucionalizadas são práticas que funcionam, ou seja, práticas necessárias e úteis ao exercício do poder.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Peci, A., Vieira, M. M. F., & Clegg, S. R. (1). A construção do "Real" e práticas discursivas: o poder nos processos de institucionaliz(ação). Revista De Administração Contemporânea, 10(3), 51-71. https://doi.org/10.1590/S1415-65552006000300004
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Stewart R. Clegg, Univerisity of Technology

- Ph.D. em Administração pela University of Bradford, Inglaterra. Professor na Univerisity of Technology, Sydney, Austrália. Possui extensa produção científica na área de Estudos Organizacionais. Suas áreas de interesse em pesquisa são poder, pós-modernismo, teoria social e administração no leste asiático e no Japão