Antecedentes à resistência a sistemas empresariais: a perspectiva de gestores brasileiros



Artigo principal Conteúdo

David Gradvohl Macêdo
Luciano Gaete
Luiz Antonio Joia

Resumo

O objetivo deste estudo é determinar os antecedentes à resistência a sistemas empresariais (ERP). Assim, por meio de levantamento bibliográfico relacionado às causas de resistência a sistemas de informação, elaborou-se um modelo teórico contendo os fatores que influenciam o comportamento de resistência a sistemas ERP. A partir daí, por meio de survey, foram obtidos 169 questionários válidos, preenchidos por gestores de tecnologia da informação brasileiros que já haviam implantado sistemas empresariais. A pesquisa valeu-se, então, de técnicas de análise fatorial e equações estruturais para refinar e testar o modelo proposto. Verificou-se que os fatores, sistemas e inclinação pessoal explicaram cerca de 49% da variância do comportamento de resistência a sistemas empresariais. Assim, conclui-se que sistemas ERP pouco flexíveis, tecnicamente mal projetados, cuja utilização seja de difícil compreensão e que não atendam às necessidades dos profissionais, geram resistência relacionada aos mesmos. Semelhantemente, conclui-se que há uma predisposição intrínseca de alguns usuários a resistir à implantação de sistemas empresariais, indicando que o estudo da resistência a sistemas de informação necessita explorar, cada vez mais, dimensões que contemplem aspectos eminentemente comportamentais dos profissionais.

Detalhes do artigo

Como Citar
Macêdo, D. G., Gaete, L., & Joia, L. A. (1). Antecedentes à resistência a sistemas empresariais: a perspectiva de gestores brasileiros. Revista De Administração Contemporânea, 18(2), 139-160. https://doi.org/10.1590/S1415-65552014000200003
Seção
Artigos