[1]
J. E. de O. Cabral, “Determinantes da propensão para inovar e da intensidade inovativa em empresas da indústria de alimentos do Brasil”, Rev. adm. contemp., vol. 11, nº 4, p. 87-108, 1.