HANDBOOK DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS. VOLUME 2: REFLEXÕES E NOVAS DIREÇÕES



Artigo principal Conteúdo

Carlos Osmar Bertero

Resumo

Seria interessante começar a resenha com a pergunta: Porque se escrevem Handbooks? Trata-se de prática comum no mundo acadêmico de língua inglesa e se estende às diversas áreas de conhecimento. O primeiro Handbook of Organizations foi organizado por James March e publicado em 1965. Trinta e um anos se passaram e os organizadores do Handbook de Estudos Organizacionais fizeram questão de frisar que não se pretendia uma nova versão ou atualização do Handbook de James March, mas que se objetivava algo diverso, fora do mainstream norte-americano.

Uma primeira razão é fazer um resgate do campo e simultaneamente reafirmar sua existência e relevância. Outra questão importante é de natureza epistemológica, ou seja, saber se houve acumulação de conhecimento e, em caso afirmativo, quais os padrões ou caminhos trilhados. Igualmente importante é atentar ao conteúdo do campo, a saber, as áreas ou linhas, tópicos ou issues de interesse em pontos diferentes no tempo. Pode haver surpresas e se constatar que assuntos que eram muito abordados no passado desapareceram ou simplesmente perderam em número de interessados. Seria o caso de se ver o interesse por abordagens gerencialistas (managerial) e de tipo funcional burocrático nos anos sessenta e setenta e o declínio relativo nos dias atuais. Por outro lado grande número de tópicos novos surgiram e se firmaram. É o caso do amplo campo coberto com o nome genérico de Simbolismo Organizacional e que inclui coisas tão diversas e sem abordagem organizacional há 30 ou 40 anos como inconsciente, sexo, gênero, estética, cultura etc.

Desta forma um Handbook permite que nos posicionemos diante de um campo e também no interior dele. Desta forma é possível ver o que foi feito, o que foi abandonado e o que resta por fazer com as linhas de trabalho mais interessantes e relevantes a serem perseguidas. Um Handbook é também de inegável utilidade a qualquer estudioso de organizações, independentemente do ponto em que se encontre de sua carreira. Serve como insumo para crítica e reflexão e também como fonte importante de informação.

O texto aqui revisto é o segundo volume do original que apareceu em língua inglesa em 1996 e que os organizadores brasileiros e a Editora Atlas optaram por dividir em três volumes. O terceiro está prometido para breve e o segundo contém 9 capítulos e 7 Notas Técnicas escritas por autores brasileiros. O volume contém uma introdução e 4 partes. A introdução contém apenas um capítulo que trata das relações entre teoria e prática e tem o sugestivo título de A Coruja de Minerva: Reflexões sobre a Teoria na Prática. As demais partes tratam de Condução da Pesquisa, Novos Objetos de Estudo, Teorizando sobre a Teoria e a última parte contém as Conclusões. Na parte referente à pesquisa há dois capítulos, um sobre Dados em Estudos Organizacionais e outro sobre Pesquisa-Ação. Na segunda parte os novos objetos de estudo contemplados são a Exploração do Lado Estético da Vida Organizacional, A Emoção e o Processo de Organizar e As Imagens do Tempo no Trabalho e na Organização. A terceira parte, na qual se teoriza sobre a teoria, contém dois capítulos, Jogos de Guerra da Cultura Organizacional: a Luta pelo Domínio Intelectual e Alguns Ousam Chamá-lo Poder, e finalmente um capítulo conclusivo sobre Representação.

A revisão de cada um dos capítulos seria tarefa descabida numa resenha com esta extensão. Além do mais, certamente não poderia ser realizada em profundidade por um único autor, dada a diversidade de assuntos e a amplidão demandada de competências. O segundo volume contém capítulos que se ocupam de assuntos e temas coerentes com a proposta do Handbook de ser um texto alternativo ao mainstream norte-americano ainda predominantemente realista, objetivista e funcionalista e marcado por pressões e preocupações gerencialistas com suas expectativas subjacentes de aplicabilidade.

Portanto limitar-me-ei a algumas observações sobre alguns conteúdos. Interessante é a introdução de um capítulo sobre pesquisa-ação. O assunto é escassamente conhecido no país e seu potencial é muito grande, particularmente porque permite lançar uma ponte entre a teorização e a prática, especialmente a que se realiza por meio da consultoria. A dimensão estética das organizações é entre nós assunto quase completamente ignorado. Trata-se também de tema de fronteira no mundo organizacional, daí a oportunidade do capítulo de Pasquale Gagliardi e da nota técnica de Thomaz Wood. Os estudos organizacionais têm tratado organizações como realidades instrumentais e portanto focadas em objetivos, resultados, eficiência, objetividade etc. A dimensão estética pode ser entendida tanto como expressão de realidades organizacionais, servindo ao analista como forma de penetração e entendimento de outras dimensões da organização, como manifestação da expressividade humana. O ser humano não se manifesta apenas por meio de eficiência e racionalidade, mas também pela construção de formas voltadas ao deleite e ao choque estético e que não se vinculam normalmente aos eixos predominantemente econômicos e tecnológicos de nossa cultura. O capítulo de John Hassard sobre o tempo no trabalho e nas organizações nos apresenta outra dimensão na consideração do assunto, que transcende o tratamento puramente gerencialista que até o momento se centrou em tratar o tempo como algo objetivo e linear, portanto escasso, sendo elemento cujo domínio e controle é essencial à eficácia pessoal. A colocação do tempo no contexto da cultura e como elemento constitutivo desta mesma cultura abre novas portas. O tratamento dado a análise cultural de organizações (Jogos de Guerra da Cultura Organizacional: a Luta pelo Domínio Intelectual) e ao poder (Alguns Ousam Chamá-lo de Poder) fecha o círculo do que há de mais característico na abordagem do Handbook. São os textos que carregam marcas nítidas de pós-modernismo na maneira de focar o tema. Senti isto mais de perto no capítulo de Stewart R. Clegg e Cynthia Hardy sobre o poder, em que se tenta ultrapassar os tratamentos fundamentalmente weberianos, marxistas e funcionalistas do poder que marcaram até o momento a literatura organizacional. Finalmente chegamos ao último e denso capítulo sobre representações, que deveria ser colocado ao final do Handbook e não como fecho do seu segundo volume. Tenta na verdade traçar um amplo pano de fundo como forma de reorganizar o campo a partir de uma nova perspectiva.

O segundo volume junta-se ao primeiro, publicado em 1999, e que deverão ser completados pelo terceiro, a ser publicado no segundo semestre de 2002. Atentar para o tempo transcorrido entre o texto original, 1996, e a conclusão da edição brasileira. Autores, tradutores, revisores e organizadores podem ser eqüitativamente responsabilizados pelo atraso. Mas não é o caso de se caçarem bruxas. O Handbook traz novas perspectivas e também nos coloca diante de um fato preocupante: a lacuna de conhecimentos das diversas ciências sociais necessárias ao entendimento do que se fez no último quarto de século.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Bertero, C. O. (1). HANDBOOK DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS. VOLUME 2: REFLEXÕES E NOVAS DIREÇÕES. Revista De Administração Contemporânea, 6(3), 215-217. https://doi.org/10.1590/S1415-65552002000300014
Seção
Resenhas Bibliográficas