A Teoria Queer e os Estudos Organizacionais: Revisando Conceitos sobre Identidade



Artigo principal Conteúdo

Eloisio Moulin de Souza

Resumo

A teoria queer desenvolveu-se incialmente na década de noventa, nas ciências sociais e humanas, principalmente nos estudos literários e linguísticos, sendo posteriormente incorporada aos estudos organizacionais. Entretanto, apesar de sua aplicação aos estudos organizacionais, ainda existe uma lacuna acerca do debate sobre seus conceitos e significados. Por isso, este artigo objetiva aprofundar e revisar o debate sobre os aspectos desenvolvidos por essa teoria, focando-se nos conceitos relacionados à produção identitária e subjetiva. Para cumprir este intento, as ideias queer sobre identidade, sujeito, performatividade, performance e identificação são apresentadas e debatidas. Defende-se que a teoria queer é um verbo (ação) ao invés de um substantivo (identidade) e a aplicação de seus conceitos não se restringe somente aos estudos sobre gênero, sexualidade e minorias. Por fim, discute-se a expansão da utilização dos conceitos queer no estudo de outras formas hegemônicas de categorias identitárias presentes no mundo corporativo.

Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Souza, E. M. de. (1). A Teoria Queer e os Estudos Organizacionais: Revisando Conceitos sobre Identidade. Revista De Administração Contemporânea, 21(3), 308-326. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017150185
Seção
Artigos