Gestores, Engajamento e Comportamentos Políticos: Uma Relação Não Linear



Artigo principal Conteúdo

Romulo Matos de Moraes
Aridelmo José Campanharo Teixeira

Resumo

Contexto: normalmente ligados aos centros de poder e tomada de decisão, os gestores encontram-se mais próximos aos efeitos da Percepção de Política nas Organizações, um fenômeno considerado contraproducente, porém inerente à própria existência das instituições. Objetivo: este estudo investiga como gestores de diversas empresas, com diferentes níveis de Engajamento no Trabalho encaram a presença de comportamentos políticos em suas organizações. Método: dados de uma survey com 1498 gestores foram submetidos a análise de clusters; regressões múltiplas lineares e não lineares subsidiaram testes de hipóteses. Resultados: na maioria dos casos analisados, a resiliência, o envolvimento e a concentração mitigaram a percepção de comportamentos políticos na organização. Entretanto, constatou-se uma quebra de paradigma entre os altamente engajados: o Engajamento impactou no aumento da Percepção de Política. Conclusões: Engajamento no Trabalho e Percepção de Política na Organização relacionam-se de forma curvilínea, indicando que não são necessariamente antagônicos. O estudo indica que gestores emocionalmente e cognitivamente estruturados tendem a aumentar seu engajamento mesmo diante de uma elevada percepção de um ambiente político, revelando uma perspectiva positiva às práticas de gestão: fomentar um maior entendimento e conexão com o ambiente organizacional possivelmente trará resultados mais eficazes do que tentativas de coibir ou negligenciar os comportamentos políticos.



Histórico de Downloads

Não há dados estatísticos.


Detalhes do artigo

Como Citar
Moraes, R. M. de, & Teixeira, A. J. C. (2020). Gestores, Engajamento e Comportamentos Políticos: Uma Relação Não Linear. Revista De Administração Contemporânea, 24(3), 218-231. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2020180255
Seção
Artigos